terça-feira, 30 de novembro de 2010

Não creio mais



na ignorância fabricada
na arrogância que segrega
na insensibilidade que me cega
no preconceito que me afasta
na rigidez que me quebra
na liberdade que não sabe amar
na lucidez que me engana o tempo todo
nas certezas que não sabem guiar
na manipulação indiscreta
nas palavras que não podem salvar
no medo que finge ser meu amigo
na solidão que não ensina
na vitória que nada constrói

não creio mais em tudo aquilo que pensei um dia ter sido
sem ter bebido da fonte de minhas próprias escolhas,
se é que um dia fui ensinado a escolher.

jasieLCalixto

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

E a alegria como vai?

Henri Nouwen diz que nossa concepção sobre a alegria é baseada no sucesso, no progresso e nas soluções fáceis para nossas mazelas e problemas. Volta e meia ouvimos na igreja que a alegria deve ser a marca distintiva do crente. Mas muitas vezes isso se torna algo do tipo “kit-viagem para o país das maravilhas com Alice e o coelhinho”, ou quem sabe não seria uma espécie de “selo de qualidade cristã”: se você tem, tudo bem, mas se não tem, algo deve estar errado com sua fé. Quantas vezes cheguei até a me culpar por ser induzido a pensar desse modo nada realístico com que a igreja trata de alegria e felicidade hoje, nada diferindo inclusive da alegria ópio que o mundo atual tem proposto, do sorriso estampado no rosto, pensamento positivo, muito dinheiro no bolso e “saúde pra dar e vender”.

Não preciso contra-argumentar muito pra dizer que isso, apesar de muito comum, é uma tola subversão do caminho de Jesus. Para Nouwen, o cristianismo de nossos tempos, hedonista, procura se desconectar completamente da realidade do sofrimento e da renúncia, ou mesmo da vida abnegada. É um cristianismo que busca vitórias sem esforços. Almejamos, de acordo com ele,

Crescimento sem crise, cura sem dores, ressurreição sem cruz. Não é de admirar que gostemos de assistir a desfiles militares e de aplaudir heróis que retornam, operadores de milagres e recordistas. Também não é de admirar que nossas comunidades pareçam organizadas para manter o sofrimento à distância. As pessoas são sepultadas de maneira a disfarçar a morte com eufemismos e ornamentação rebuscada (2002, p. 08).

Extraído de Novos Diálogos. Para ler o artigo todo click novosdiálogos

Aguavivamento

A água é fundamental para que haja vida.
O avivamento começa com um copo d'agua.

sábado, 20 de novembro de 2010

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Espiritual é o Jardineiro



Espiritual é o jardineiro que planta o jardim, o pintor que pinta o quadro, o cozinheiro que faz a comida, o arquiteto que faz a casa, o casal que gera um filho, o poeta que escreve o poema, o marceneiro que faz a cadeira. A criatividade deseja tornar-se sensível. E quando isso acontece, eis a beleza! (Correio Popular, Caderno C, 10/09/2000)

texto "roubado" de artelirio click para conhcer esse blog. click artelirio

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

tears in heaven cifra e letra cover by me

Quero agradecer a participação do coral de grilos que me acompanhou nesse cover. impressionante como eles não desafinam e nem perdem o tom.
Quem vê deve pensar que eu moro no meio da selva. Tudo bem que meu cabelo tá meio welcome to the jungle rsrs...

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

João e Maria Chico Buarque cover by me

Fiz essa música com novos arranjos pra homenagear meu tio calixto por meio de quem ouvi essa canção pela primeira vez aos 5 ou 6 anos e me impressionei com a frase "e o meu cavalo só falava inglês". Ficava imaginando a cena rsrs.